Pra Você

Hipertensão

Pressão alta na gravidez

Sintomas como dores na nuca e visão embaçada exigem atenção

Desejos inusitados, apetite voraz, enjoos, ansiedade e sono são alguns sintomas típicos da gravidez. Momento ímpar na vida de uma mulher, simboliza, para muitas, a transformação, a maturidade e a certeza da continuidade da vida.

É também na gravidez que os cuidados com a saúde da mãe e do bebê se intensificam. Entre eles está a atenção à pressão arterial, que deve manter seus índices normais, que de acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão é menor que130/85 mmHg. Quando está alta, ou seja, acima de 140/90 mmHg, pode trazer complicações, como a pré-eclâmpsia, uma ocorrência que é um agravante para o aborto caso não seja tratada adequadamente com alimentação equilibrada ou medicação.

Fotolia_116660848_Subscription_XXL

Os motivos para o aumento da pressão durante a gravidez são os mais variados, como uma alimentação desequilibrada, má formação da placenta, obesidade ou diabetes da mãe, ou ainda uma gravidez após os 35 anos de idade. O excesso de sal na alimentação e o sedentarismo também. Alguns sintomas denunciam que algo pode não estar bem com a pressão e merecem uma atenção especial, tais como:

  • Pressão arterial superior a 140/90 mmHg;
  • Dores na nuca;
  • Dor na barriga;
  • Visão embaçada;
  • Sensibilidade à luz;
  • Inchaço do corpo.

 

O tratamento pode incluir medicamentos associados a uma dieta rica em ácido fólico, nutriente com ação vaso dilatadora. Entre os alimentos com tal propriedade estão o fígado de galinha, peru ou boi cozido, levedo de cerveja, feijão-preto cozido, espinafre cozido, macarrão cozido, ervilhas e lentilhas.

Vale lembrar que beber bastante líquido e não abusar do sal nas refeições, assim como adotar uma alimentação rica em frutas, legumes e fibras também é muito importante. Às mamães apreciadoras de um bom café, vale saber que os médicos aconselham apenas uma dose diária, ok?

A prática de exercícios físicos leves também traz uma série de benefícios à mãe e ao bebê, como controle do peso, bom funcionamento do intestino, melhora na postura e fortalecimentos dos músculos. Atividades como natação e hidroginástica, caminhada, corrida de baixo impacto, bicicleta, ioga, pilates e danças de salão estão entre as mais recomendadas pelos médicos.

Dados do Ministério da Saúde alertam que a pressão alta é responsável por 13,8% das complicações gestacionais no Brasil. Embora ainda seja um número alarmante, essa porcentagem era muito maior há 20 anos, quando chegou a 40% em decorrência do problema.